quarta-feira, 24 de maio de 2017

Time Maratona do Rio: Como fazer o planejamento alimentar adequado pra a Maratona



- A menos de um mês para o grande dia, a nutricionista Roberta Lima, do time de especialistas da prova, indica a melhor forma de planejar a sua alimentação para fazer uma boa Maratona do Rio

- 15ª edição da maior corrida do Brasil acontece no dia 18 de junho na Cidade Maravilhosa

Por Roberta Lima

Faltando menos de um mês para a Maratona do Rio, nada mais justo que falarmos sobre o planejamento alimentar.

Por acaso você já achou que fosse desistir de uma prova de longa duração por cansaço? Se a resposta a esta pergunta foi sim, não se sinta sozinho, você tem bastante companhia! Nessas provas é muito comum que o atleta sinta-se cansado e não consiga manter o mesmo ritmo nos últimos quilômetros e, normalmente, o atleta acaba associando este cansaço a um treino mal planejado quando, na verdade, a causa mais provável tenha sido desidratação ou falta de combustível.

O combustível preferencial durante a atividade física é o carboidrato (pão, geleias, mel, massas, arroz, batata, aipim, inhame, milho, aveia, frutas, sucos e etc.), que é armazenado no corpo na forma de glicogênio. Atletas que iniciam a prova com maior estoque de glicogênio muscular conseguem percorrer maiores distâncias, logo, em provas de longa duração, é muito importante ter atenção ao consumo de carboidratos.

Uma dieta equilibrada com 60% de carboidratos armazena algo entre 1600 e 2000 calorias de glicogênio muscular. Essa reserva é limitada, e é depletada nos primeiros 70 – 90 minutos de atividade, sendo suficiente para provas de curta duração, mas não para uma prova de 21/ 42 km!

O que fazer, então?

Na década de 60 utilizava-se muito o “carregamento de carboidratos” ou “Carb Loading” como método para tentar prevenir a fadiga muscular antes do final da prova. Este método é dividido em duas fases:

• A primeira fase tem início 7 dias antes da competição, onde o atleta faz treinos intensos e reduz o consumo de carboidrato durante 3 dias.

• A segunda fase, 3 dias antecedentes à prova, o atleta é submetido a uma redução no volume de treino e a uma dieta rica em carboidratos (70-80% de carboidratos).

Esta primeira fase de muito treino e pouco carboidrato teria como objetivo reduzir ao máximo a quantidade de carboidrato na musculatura. A idéia era que esta redução poderia servir como estímulo ao aumento das reservas quando houvesse novamente a oferta de carboidrato, tornando os músculos capazes de armazenar em torno de 2500 a 2700 calorias de glicogênio. Este método hoje é criticado pela fase de pouco carboidrato, apontada como uma fase potencialmente perigosa para o desempenho.

Eu, pessoalmente, sou favorável a uma adaptação da teoria do “carregamento de carboidratos”. Na semana antecedente à competição, a dieta deve ser normoglicídica (60% de carboidratos) associada a uma redução na intensidade do treinamento. Nas 72 horas antecedentes à competição, deve-se aumentar o consumo de carboidratos – 10 a 12g/Kg de Peso Corporal e realizar treinos mais leves. Para entender isso de forma mais prática, um atleta de 65Kg precisará de 650 – 780g de carboidratos.

Mesmo seguindo esta orientação de forma correta, é possível ainda que o atleta não consiga estocar a quantidade de glicogênio muscular necessária para uma prova de longa duração. É aí que entra a suplementação de carboidrato durante a corrida.

O consumo de carboidratos durante a corrida suprirá combustível adicional aos músculos e retardará ou prevenirá o esvaziamento de glicogênio. A maneira mais fácil de consumir carboidratos durante a corrida é através de bebidas esportivas (preferir aquelas que têm a concentração de carboidrato entre 4-8%), saches de carboidratos ou jujubas de carboidratos.

Para uma prescrição individualizada, consulte sempre um nutricionista. Bons treinos!


Roberta Lima - Carioca e praticante de corridas de rua, Roberta Lima é a nutricionista da seleção olímpica de judô desde 2003. Esteve na comissão técnica nos jogos de Pequim-2008, Londres-2012 e Rio-2016.Tem vasta experiência com o esporte de alto rendimento e, por isso, foi convidada para integrar a nossa equipe de especialistas.

Sobre o Time Maratona do Rio - Com a presença de grandes profissionais de diferentes áreas, o Time Maratona do Rio é composto pelo Dr. Paulo Lourega (Diretor-Médico da Maratona do Rio desde 1987 e Especialista em medicina do esporte), Dra. Fabiula Schwartz (Cardiologista e Especialista em medicina do esporte), Roberta Lima (Nutricionista do esporte com mais de 10 anos de experiência no esporte de alto rendimento), Vanessa Protásio (Psicóloga, Especialista em Coach e maratonista) e o Dr. Sérgio Maurício (Ortopedista formado pela UFRJ e maratonista).

Saiba mais sobre a Maratona do Rio - Em 2017, a Maratona CAIXA da Cidade do Rio de Janeiro completa 15 anos.  A tradição e a excelência da prova, além do cenário único pela orla carioca, ajudaram a colocar o evento entre os melhores de sua categoria no mundo. O número recorde de inscritos consolida a Maratona do Rio como a maior corrida de rua do Brasil e uma das mais desejadas do calendário mundial.

No ano de 2003, data de estreia da Maratona do Rio, a corrida Rio contou com três mil corredores. Esse ano, serão 33 mil pessoas. A Maratona CAIXA da Cidade do Rio de Janeiro 2017 acontecerá dia 18 de junho e integra o calendário oficial de eventos e datas comemorativas da cidade do Rio de Janeiro. O evento é realizado e organizado pela Spiridon Eventos e pela Dream Factory.

Mais informações:
Instagram: @maratonadoriooficial 
Facebook: https://www.facebook.com/maratonadoriodejaneiro 
Site: www.maratonadorio.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recomendado pra você

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares