segunda-feira, 15 de abril de 2019

Corrida natural: coleção Nike Free 2019 chega ao mercado brasileiro




Em comemoração aos 15 anos de existência, o ano de 2019 marca o retorno da corrida natural. O resultado é a nova linha Nike Free mais flexível do que nunca.

A família de produtos Nike Free é recomendada para distâncias menores e pra quem busca sensação de correr descalço, por isso, a entressola é mais firme - mais próximo do modelo original de 2004 – e mais plana, o que melhora a conexão com o chão e a amplitude de movimentos naturais.

O Nike Free RN 5.0 é 26% mais flexível e apresenta 2 mm a menos de offset. Já o modelo Nike Free RN Flyknit 3.0 é 37% mais flexível e tem offset 1 mm menor do que os modelos 2018.

O cabedal minimalista de malha stretch proporciona ventilação e flexibilidade no modelo 5.0. Já o 3.0 possui cabedal Flyknit reforçado e sem cadarço que se ajusta ao pé como uma segunda pele. Há um aceno para a ciência em profundidade por trás dos calçados originais em termos de estética geral também, com algumas das linhas de design vindo do próprio formato natural do pé, por exemplo. O Swoosh (logo da marca) menor simboliza a intenção de menor quilometragem do tênis.

A Coleção Nike Free 2019 chegou nas lojas físicas e online da Nike (nike.com) no dia 12 de abril e, a partir do dia 5 de maio, estará disponível no restante do mercado.

O QUE É A PLATAFORMA DE PRODUTOS NIKE FREE?

Em 2001, os designers da Nike viram os atletas da Universidade de Stanford correndo descalços na grama da pista de atletismo da escola (o treinador deles acreditava que isso melhorava a saúde dos pés), e a Nike começou a investigar a ciência por trás dessa teoria. O que eles aprenderam após um ano depois de estudar o movimento dos pés descalços na grama foi surpreendente: Imediatamente, o pé apresentou uma pisada mais natural e se flexionava mais. Ao longo do tempo, os corredores obtiveram benefícios como maior flexibilidade nos pés, mais equilíbrio e força.
Na tentativa de reproduzir o pé descalço o mais próximo possível, primeiro criaram um protótipo super-minimalista de uma sapatilha de corrida que apresentava cápsulas de silicone afixadas em uma malha fina e leve (parecia mais uma sapatilha de balé do que um tênis). Os designers pensaram que o técnico da Stanford aprovaria se os pés dos atletas ficassem protegidos, caso pisassem em elementos como vidro, ou pedrinhas de pavimentação, enquanto ainda deixasse o pé se movimentar naturalmente.
Embora isso não tenha sido originalmente uma ideia comercial, algumas pessoas da Nike viram uma grande oportunidade. Os designers evoluíram esse primeiro protótipo e o transformaram em um tênis que proporcionava uma pisada natural aplicável a mais corredores - e o processo de design seria um esforço contínuo conduzido pela ciência mais recente. O objetivo sempre foi encontrar a melhor forma de permitir com que o pé se mova da maneira que deseja, o mais naturalmente possível.
Os desenhos iniciais foram inspirados nos brinquedos de madeira que reproduziam uma cobra “cortada”, para que ela deslizasse. Os designs então foram cortando a sola de um tênis de corrida para ver se ele se movia e flexionava, se tornando mais dinâmico. Designers também mexeram com o corte em blocos de espuma e materiais superiores. Eles aprenderam, particularmente quando brincavam com o espaço longitudinal, que possui o mesmo sentido do comprimento de algo, ao longo do antepé, que os pés dos atletas reagiriam de forma diferente a diferentes padrões e profundidades.
Os primeiros tênis da linha Nike Free (modelos 5.0 tanto para corrida como treino, para homens e mulheres) foram lançados no outono de 2004.
Em 2014, reagindo às novas pesquisas que mostraram que, à medida que um pé completa seu movimento, o padrão de pressão se move como uma curva em S pela batida do pé (e não há duas curvas iguais), os designers reformularam o design da sola da franquia. Depois de testar centenas de padrões, de estrelas a círculos, pontos, linhas diagonais e mais, eles encontraram um padrão que apresentava uma variedade de cortes hexagonais, porque permitia mais flexibilidade em ângulos diferentes e melhor acomodava a torção e giro que ocorrem durante o movimento.
Essa descoberta ocorreu no Laboratório de Pesquisa Esportiva da Nike (NSRL - Nike’s Sport Science Research Lab), que mostrou que, à medida que o pé se move, ele se expande e se contrai em dois planos: no sentido do comprimento (do calcanhar ao dedo do pé) e no sentido da largura. Até então, o solado do Free fazia apenas a flexão do calcanhar ao dedo do pé.
Pensando se havia uma maneira mais inteligente para desenhar esses cortes no solado, os designers começaram a experimentar com os materiais auxéticos, que quando tracionados expandem-se transversalmente.
Os designers testaram vários padrões auxéticos antes de chegar à forma três estrelas, que se assemelhava ao padrão de sola hexagonal que o Free já havia estabelecido, porque eles podiam ajustá-lo, até certo ponto. A entressola auxiotiva espalmada imita como o corpo e o pé reagem à força. Ele absorve o impacto, enquanto contabiliza a expansão de plano duplo no tamanho do pé (aproximadamente um tamanho de comprimento e dois tamanhos de largura) que ocorre durante a batida do pé de um atleta. A flexibilidade da sola multi-direcional imita de perto essa forma de mudança, se um atleta está se movendo linearmente em corrida ou em várias direções no treinamento. A flexibilidade resultante coloca o pé, em vez do tênis, no controle. A melhor parte: a solução que não exigia novos materiais ou máquinas - apenas um novo olhar.
Os atletas de elite da Nike usam o Free para treinos de baixa quilometragem. Os especialistas recomendam que os corredores do dia-a-dia também usem o Free para corridas de baixa quilometragem. Para 2019, a Coleção de Corrida Nike Free retorna às suas raízes, com novos elementos de design que permitem uma sensação de correr descalço ainda maior que as versões anteriores.

5 FATOS DO NIKE FREE

1.A Nike começou a estudar o movimento natural e correr descalço em 1989 em seu laboratório de pesquisa esportiva em Exeter, New Hampshire.
2.Quando o trabalho Nike Free começou no início dos anos 2000, a Nike estava entre as primeiras marcas da indústria a trabalhar diretamente para lidar com a corrida natural.
3.Os primeiros Nike Free foram lançados com um longo documento para explicar os benefícios da tecnologia e avisar que o tênis não era para todos.
4.O Nike Sport Research Lab tem cinco parâmetros que analisa antes de decidir se um tênis é ou não considerado digno da designação Free.
5.O sistema de numeração que define os nomes do Nike Free segue uma escala que varia de 0 (com os pés descalços) a 10 (um tênis de corrida de máximo amortecimento) para indicar o nível de amortecimento de um determinado tênis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recomendado pra você

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares