Nike lança o primeiro tênis de corrida com o cabedal feito de tecido por impressão 3D



O Nike Flyprint foi desenvolvido a partir da coleta e análise computacional de dados dos movimentos dos pés de atletas, ela cria estruturas em escala 1:1.

Nike Flyprint é o primeiro cabedal feito de tecido por impressão 3D a ser usada num tênis de alto desempenho. Ela não é uma solução de estrutura para calçados, embora a Nike tenha um longo histórico nessa área com (exemplo aqui, aqui e aqui).

A estrutura que forma a base do Nike Flyprint é produzida num processo chamado “solid deposit modeling” (moldagem por sedimentação sólida, ou SDM). Nele, um filamento de poliuretano termoplástico (TPU) em formato de espiral é desenrolado, derretido e sobreposto em camadas.

A Nike, porém, não é uma marca que se acomoda com soluções fáceis. O método Flyprint permite que os designers transformem dados fornecidos por atletas em novas geometrias têxteis. Por isso, o Flyprint representa um salto no trabalho já realizado pela Nike com o desenvolvimento digital de tecidos, e estabelece um novo marco numa ampla trajetória de inovações exclusivas que alteram (ou hackeiam) máquinas. Esse histórico inclui revoluções como Nike Hyperfuse, Flywire e Flyknit, sempre atingindo soluções de desempenho até então inimagináveis.

O processo de desenvolvimento da peça Flyprint tem início com a coleta de dados fornecidos pelos atletas. Os dados são analisados por computadores com ferramentas de design computacional, e mostram a composição ideal do material. Em seguida, as informações são usadas para produzir o tecido final. Essa operação demonstra a versatilidade do Flyprint, já que o resultado pode ser único para cada atleta ou cada finalidade de uso. Ela também reduz drasticamente o tempo do processo de design como um todo. A impressão de alto desempenho permite à Nike avançar mais rápido e levar a precisão a um grau inédito: a fase de prototipagem é 16 vezes mais rápida do que em qualquer outro método de produção.

Um benefício interessante do tecido 3D em relação aos materiais tradicionais 2D é o dinamismo criado por uma nova interconexão nos fios, que vai além da trama propriamente dita. A natureza fundida do material representa uma imensa vantagem do Flyprint. Um exemplo: um tecido com trama costurada ou tricotada traz uma resistência imposta pelo entrelaçamento dos fios; já no tecido impresso, as intersecções fundidas asseguram uma contenção mais precisa. O Flyprint também é mais leve e ventilado do que outros materiais usados anteriormente pela Nike.

Quando o assunto é a velocidade do design, o novo método apresenta duas vantagens em relação ao processo tradicional. Em primeiro lugar, é possível ajustar localmente linhas específicas do material, sem prejudicar a estrutura como um todo. Além disso, a agilidade entre um protótipo e outro significa que a fase de testes e revisões é consideravelmente mais rápida. Resumindo: o Flyprint garante design de altíssima fidelidade, grandes benefícios para os atletas e o menor tempo de criação.

O material também funciona perfeitamente junto com outros tecidos – sobretudo com fios Flyknit –, criando o equilíbrio ideal entre caimento e estrutura. Na verdade, os fios Flyknit podem ser estruturados para se unir ao tecido Flyprint por ação térmica, eliminando a necessidade de usar cola ou pespontos.

O cabedal Nike Flyprint foi projetada para ajudar os fundistas mais rápidos do mundo a correr ainda mais rápido. Não à toa, o primeiro modelo a contar com esse material é o Nike Zoom Vaporfly Elite Flyprint. O VaporFly Elite foi criado para o queniano Eluid Kipchoge, tendo como base informações fornecidas pelo próprio atleta após a Maratona de Berlim de 2017, e partindo de uma fase-relâmpago de protótipos. A nova parte superior feita de Flyprint aprimora ainda mais o tênis e reduz o peso do calçado em 11 gramas, quando comparado ao original usado por Kipchoge. Para mais informações, clique aqui.

Comentários

Recomendado pra você

Postagens mais visitadas

Planilha de Corrida GRÁTIS para 5km 10km 21km 42km

Tatuagens de corrida: como atletas estampam seu amor pelo esporte na pele